nova_mutum

AGROTECNICA


CASTELO DOS SONHOS PA

CASTELO DOS SONHOS PA

Empresa que impulsiona o crescimento do Estado - Saiba Mais

Castelo dos Sonhos √© um distrito do munic√≠pio de Altamira, no estado brasileiro do Par√°. √Č o distrito brasileiro mais distante da sede do seu respectivo munic√≠pio, estando localizado a 950 km do distrito-sede de Altamira - pelas rodovias Cuiab√°-Santar√©m (BR-163) e Rodovia Transamaz√īnica (BR-230)[1]. Devido a essa grande dist√Ęncia em rela√ß√£o √† sede municipal, o distrito de Castelo de Sonhos possui uma liga√ß√£o muito mais pr√≥xima com o munic√≠pio de Novo Progresso e com o munic√≠pio de Guarant√£ do Norte, no Mato Grosso. O distrito de Castelo de Sonhos fica localizado √†s margens da BR-163, na regi√£o conhecida como Serra do Cachimbo. A Prefeitura Municipal de Altamira mant√©m uma subprefeitura no distrito, que √© o √≥rg√£o respons√°vel pela administra√ß√£o local.


História

Criado em agosto de 1990, tendo seus limites territoriais definidos pela Lei Municipal N.¬ļ 1.634 de 8 de setembro de 2006, Castelo de Sonhos √© um Distrito de Altamira, com √°rea territorial de 5 224 558,6587 ha, constitu√≠dos de √°reas ind√≠genas, √°reas de prote√ß√£o e √°reas de expans√£o.

O nome do distrito originou-se de uma m√ļsica popular hom√īnima, esta era muito executada na regi√£o e passou a ser usada para denominar o local.

A migra√ß√£o para a regi√£o come√ßou com o incentivo do governo militar, tendo a frente o Presidente M√©dici institui por meio do Decreto-Lei N¬ļ1106, de 16 de julho de 1970, o Plano de Integra√ß√£o Nacional - PIN. Utilizando m√£o de obra nordestina liberada pelas grandes secas de 1969 e 1970 e a no√ß√£o de vazios demogr√°ficos amaz√īnicos s√£o cunhados os lemas "integrar para n√£o entregar" e "uma terra sem homens para homens sem terra". Desse modo, construiu-se a BR-163 que ligava a regi√£o ao resto do pa√≠s. Com isso iniciou a a migra√ß√£o de fam√≠lias oriundas da regi√£o sul do Brasil, com a finalidade de praticar a pecu√°ria, e entre a d√©cada de 1980 e 90, devido a not√≠cia da abund√Ęncia do ouro na regi√£o, houve a migra√ß√£o de pessoas vindas de v√°rias regi√Ķes do pa√≠s, principalmente nordeste e centro-oeste.

Ficou nacionalmente conhecida durante o ciclo do ouro na região, este fato deve-se principalmente a atuação de Marcio Martins, o Rambo do Pará, que deixou todo o Brasil assustado com tamanhas atrocidade cometidas.

Ap√≥s o ciclo do ouro, o setor madeireiro ocupou o lugar de principal potencial econ√īmico da regi√£o.

O distrito, apesar de ter cerca de 15 mil habitantes, ainda n√£o conseguiu a emancipa√ß√£o. No come√ßo, por ser contr√°rio a interesses de alguns, mas hoje em dia a dificuldade de conseguir a independ√™ncia econ√īmica do lugarejo deve-se a uma emenda aprovada em 1998 que dificultou o surgimento de novos munic√≠pios.
Economia

Nos dias atuais o ouro √© uma das menores atividades econ√īmicas existentes, sendo que o setor madeireiro ocupou o lugar de principal potencial econ√īmico da regi√£o, vindo em seguida a agropecu√°ria.

O distrito conta hoje com um rebanho bovino aproximado em 240.000 cabe√ßas (ADEPAR√Ā - vacina√ß√£o de Maio de 2010), quase a totalidade da ra√ßa Nelore. Concentra a renda da atividade na venda de animais para o abate no estado vizinho do Mato Grosso, j√° que n√£o exitem abatedouros sob servi√ßo de inspe√ß√£o de qualquer ordem na regi√£o.

Mas o turismo é aposta de alguns para a região, devido a matas virgens existentes, cachoeiras - algumas ainda inexploradas - de diversas altitudes, rios, serras e montanhas.
Agricultura

A pr√°tica da agricultura em Castelo de Sonhos √© extremamente favor√°vel devido a suas condi√ß√Ķes clim√°ticas. Enquanto as demais regi√Ķes produtoras do pa√≠s est√£o na entressafra, a regi√£o j√° esta ofertando produto. O per√≠odo das chuvas inicia-se no m√™s de setembro, possibilitando a colheita no m√™s de dezembro, o que √© um √≥timo fator para a soja e, mais ainda para o arroz que antecede a colheita em um per√≠odo de 40 dias das demais regi√Ķes produtoras. Assim, tem-se vantagens para a venda e o pre√ßo do cereal, n√£o havendo necessidade de contrato de mercado futuro.

Ap√≥s a colheita do arroz, em dezembro, Castelo de Sonhos oferece todas as condi√ß√Ķes para o plantio de soja, possibilitando a colheita em meados de abril, resultando menos riscos de perdas causadas pelas chuvas no per√≠odo da colheita, sem contar com os transtornos causados pela m√° conserva√ß√£o das estradas, fator que dificultaria o transporte da mesma.

Plantando-se a soja no mês de setembro (início das chuvas), colhe-se a safra no mês de dezembro, quando o índice das chuvas ainda é baixo. Em seguida, é favorecido o plantio da cultura do arroz, que tem sua colheita então no fim da época das chuvas, obtendo-se assim novamente as vantagens acima citadas. Destaca-se ainda Outro ponto favorável para a cultura do arroz, que é ofertado ao mercado antes da região de Santarém-PA.

Ap√≥s as safras da soja e do arroz, as condi√ß√Ķes clim√°ticas favorecem o plantio de uma cobertura verde, evitando assim os altos √≠ndices de incid√™ncia dos raios solares sobre o solo, entre elas o girassol e o feij√£o guandu (ainda em teste).

O Pará registra de oito a nove meses com chuvas regulares, o que dispensa sistemas de irrigação mais complexos. No Mato Grosso, são seis meses de chuvas. Assim, os produtores não podem entrar com a soja em setembro, pois choverá muito no momento da colheita, em março e abril. "Um bom sistema de produção seria plantar arroz em setembro e fazer uma safrinha de soja na mesma área em seguida, plantando em janeiro ou fevereiro e colhendo em junho", explica Patrício Mendez Del Villar, do Cirad. O feijão ainda encontraria espaço para uma segunda "safrinha", nessa mesma área.

play
video
Entrevista com Jads e Jadson, Empresa Dupla Certaneja
publicidade-feijao
revista141_p

© 2013 Copyright Revista Interativa MT 141 | Designed by Summos Criativos